Geral

Webinário Educação, Saúde e Tecnologia em Mar Aberto aborda avaliação em EaD e gamificação

O segundo dia do evento trouxe novos temas e oportunidades de diálogo e reflexão entre pesquisadores e representantes da Rede UNA-SUS.

- Claudia Bittencourt – Ascom SE/UNA-SUS



As possibilidades para avaliação e gamificação para cursos online foi tema do segundo dia do Webinário Educação, Saúde e Tecnologia em Mar Aberto, na última sexta-feira (11/12/20). A terceira edição do evento, que teve como objetivo debater possibilidades e desafios do uso de tecnologias digitais no âmbito da educação permanente em saúde, foi incorporada ao 26º Encontro Nacional da Rede UNA-SUS, ampliando as oportunidades de diálogo e reflexão entre pesquisadores e representantes da Rede. Ambos os eventos aconteceram pela primeira vez em formato totalmente online, com transmissão ao vivo no YouTube da Fiocruz Brasília.

Para falar sobre avaliação em EaD, o evento contou com a participação da consultora da SE/UNA-SUS, Bárbara Bontempo, da professora da UnB, Gardênia Abbad e a mediação da pesquisadora da Fiocruz Brasília e SE/UNA-SUS, Kellen Gasque.

Kellen apresentou um guia prático para avaliação de módulos educacionais autoinstrucionais na área da saúde e destacou que é importante pensar que as avaliações são meios de trazer mais qualidade para os cursos online. “A construção de um instrumento de avaliação precisa ser criteriosa, e a qualidade dos cursos e recursos educacionais está voltada para atingir os objetivos de aprendizagem do estudante”. 

Para Bárbara, que falou sobre avaliação participativa, “nesse contexto de diversos atores envolvidos no processo de avaliação, o principal deles é o aluno, pois estamos falando de educação permanente de profissionais”. Dessa forma, é necessário estabelecer uma escuta ativa e qualificada permanentemente ao longo do processo de formação.

Os modelos de avaliação foram abordados pela professora Gardênia, que destacou a necessidade de construir modelos para extrair as teorias que os stakeholders têm sobre as relações entre os elementos que compõem o curso, as demandas de aprendizagem, resultados e o contexto no qual o programa ocorre. “Os modelos analisam os resultados e o que predizem esses resultados. A aprendizagem depende da qualidade das metodologias ativas de ensino”.

A pedagoga Gleice Assunção da Silva e pesquisadora da UFSC apresentou uma pesquisa sobre a gamificação no ensino online direcionado para profissionais de saúde, que analisou a experiência com a aplicação dessa estratégia na área da saúde, em âmbito nacional e internacional nos últimos 10 anos. Para ela, “a gamificação é um exemplo das tecnologias ativas utilizadas para sanar as demandas da educação. No campo da saúde, percebemos que é um tema que ainda está em consolidação”, explicou. A pesquisadora participou em outras edições do webinário e contou que “essa experiência em Mar Aberto se transformou em uma verdadeira jornada neste ano”.

A gamificação e aprendizagem colaborativa foram os temas abordados pela professora da Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre (UFCSPA), Alessandra Dahmer. Ela explicou que a gamificação consiste em trazer elementos dos jogos – como estratégia, diversão, interação, prêmios, desafios, avatares, evolução – para a aprendizagem. A estratégia é utilizada pela UNA-SUS/UFSCPA com as cidades virtuais, que simulam a realidade de uma cidade para ambientar o aluno em um contexto rico em detalhes sobre a localidade, estimulando que considerem todas as peculiaridades locais no atendimento de seus pacientes, por meio dos casos clínicos. “Quando utilizamos esses elementos, os alunos ficam curiosos para discutir os casos clínicos e avançar para a próxima etapa. Assim, a aprendizagem ocorre de forma muito mais lúdica e agradável”, afirmou.

Alessandra também ressaltou a importância dos pedagogos na equipe, a fim de fazer a conexão entre uso dos elementos de gamificação e os objetivos de aprendizagem do curso. “Conseguimos que a gamificação seja uma estratégia que agrega características a uma aprendizagem colaborativa que busque o planejamento do aluno, a motivação, curiosidade, investigação, e tudo isso casa muito bem com a educação em saúde”.

Janaina Angelina Teixeira, professora da secretaria de educação do GDF, apresentou a plataforma Genially, que capacita o desenvolvimento de um trabalho colaborativo, em que é possível utilizar múltiplos materiais, inclusive jogos adaptados para o contexto educacional, dinâmicas, imagens, infográficos e vídeos. 

Para assistir às palestras completas, acesse o canal da Fiocruz Brasília no Youtube.

Fonte: SE/UNA-SUS