Curso

UNA-SUS/UFSC lança quarta oferta sobre violência por parceiros íntimos

o objetivo é instrumentalizar o profissional na detecção desse tipo de violência, considerando o contexto de vulnerabilidade e alternativas para solução de conflitos.

- Ascom SE/UNA-SUS



Atentos aos inúmeros casos de violência por parceiros íntimos que são atendidos pelos profissionais de saúde em todo o Brasil, a Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) - integrante da Rede UNA-SUS – lança nesta quarta-feira, 6 de junho, o mais novo Curso de Atenção a homens e mulheres em situação de violência por parceiro íntimo.

Desenvolvida em parceria com o Ministério da Saúde, por meio da Coordenação Nacional de Saúde do Homem (CNSH/DAPES/SAS/MS), a nova oferta tem como objetivo instrumentalizar o profissional na detecção desse tipo de violência, mantendo um olhar atento a situações de vulnerabilidade, para tornar visível a gravidade de atos violentos, refletindo sobre alternativas para a resolução de conflitos.

O curso é livre, totalmente gratuito e tem início imediato. As inscrições podem ser realizadas até 31 de dezembro, pelo link.

De acordo com a enfermeira e conteudista do curso, Carolina Bolsoni, o principal objetivo é instrumentalizar os profissionais de saúde para atuar na atenção a homens e mulheres em situação de violência por parceiro íntimo, a partir do reconhecimento dessas situações e incorporação deste tipo de atenção em seus processos de trabalho.

“O curso traz à luz a necessidade de identificação das situações de risco nos casos de violência intrafamiliar e entre parceiros íntimos, entendendo que é responsabilidade do profissional de saúde estar atento quanto à possibilidade de um membro da família estar praticando ou sofrendo violência, mesmo que não haja, à primeira vista, indicações para suspeitas”, explica Bolsoni.

Com carga-horária de 30h, o curso foi dividido em 3 unidades que abordam sinais e sintomas deste tipo de violência, escuta qualificada e construção de plano de cuidados para que os profissionais da saúde possam identifica-los e incorporá-los em seu processo de trabalho diário.

“A ideia é que o profissional reconheça a violência como questão de saúde e de sua competência, partindo do acolhimento, escuta, identificação, atendimento e possíveis encaminhamentos de acordo com cada situação”, enfatiza a conteudista.

Bolsoni destaca também a atenção à pessoa em situação de violência não é uma ação restrita e específica da área da saúde, mas está ligada a ela na medida em que a violência faz parte das relações e do cotidiano da sociedade, trazendo sofrimentos e adoecimentos às pessoas, alterando com isso a sua saúde.

“A violência afeta a saúde porque ela representa um risco maior para a realização do processo vital humano: ameaça a vida, produz enfermidades e provoca a morte, como realidade ou como possibilidade próxima. Sendo assim, as informações prestadas aos profissionais de saúde através desse curso, podem ajudar as pessoas em situação de violência”, finalizou.

Para saber mais sobre esse e outros cursos da rede UNA-SUS, acesse nosso portal de ofertas educacionais em https://www.unasus.gov.br/cursos.