Curso

Morbimortalidade é tema de novo curso da UFSC sobre Saúde do Homem

O objetivo é instrumentalizar o profissional de saúde acerca da morbimortalidade por causas externas a fim de que sejam utilizadas as melhores estratégias na Atenção Básica.

- Ascom SE/UNA-SUS



Profissionais de saúde interessados em aprofundar os conhecimentos relacionados às peculiaridades da atenção referente à saúde do homem, já podem se inscrever no mais novo curso Morbimortalidade por causas externas da saúde do homem.

A oferta foi desenvolvida pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) em parceria com o Ministério da Saúde, por meio da Coordenação Nacional de Saúde do Homem (CNSH/DAPES/SAS/MS), com o objetivo de proporcionar aos profissionais de saúde conhecimentos sobre o perfil de morbimortalidade por causas externas, bem como o impacto destas ocorrências na população, para que seja possível desenhar e aplicar as melhores estratégias intersetoriais voltadas ao enfrentamento desta situação.

O curso é livre, totalmente gratuito e tem início imediato. As inscrições podem ser realizadas até 30 de novembro de 2019, pelo link. A carga horária é de 30 horas.     

De acordo com a coordenadora do curso, Sheila Rubia Lindner, o desenvolvimento dessa oferta se deve à significante ocorrência de casos de morbimortalidade por causas externas (a violência e os acidentes de trânsito), que são responsáveis por cerca de 9% da mortalidade mundial e representa o óbito de mais de 5 milhões de pessoas anualmente.

“Sabe-se que no Brasil, em 2013, as causas externas corresponderam à terceira maior causa de morte no país (13% do total), sendo que 82% desses óbitos foram do sexo masculino. As causas externas de morbimortalidade constituem, portanto, um dos principais problemas de saúde pública desde o final da década de 1970, impactando na população para a diminuição da qualidade e expectativa de vida, além de demandar um alto custo social com cuidados em saúde, previdência, absenteísmo ao trabalho e à escola”, explica a coordenadora.

Dividido em três unidades, o curso traz, inicialmente, um panorama da morbimortalidade por causas externas e seu impacto na população brasileira, entre homens e mulheres. Em seguida, os acidentes e a violência referentes à morbimortalidade são trabalhados segundo caracterização, fatores de risco e relação com as construções de gênero. Por fim, são trazidas ações locais e intersetoriais no enfrentamento das situações de violência e de acidentes voltados às políticas públicas, que possam contribuir para o conhecimento do profissional da saúde sobre o papel deste assunto na Atenção Básica, bem como a importância do monitoramento dos casos.

 “A ideia é promover uma compreensão mais depurada da importância do monitoramento desse fenômeno, uma vez que uma base de dados atualizada e bem estruturada provê aos profissionais de saúde um suporte importante para o desempenho de um bom planejamento, capacitando-o a elaborar estratégias e ações para um eficiente meio que possa frear o potencial crescimento da morbimortalidade por causas externas, além de apresentar ações para evitá-las”, enfatiza Lindner.

Para saber mais sobre esse e outros cursos UNA-SUS, acesse www.unasus.gov.br/cursos.